segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Feliz Ano Novo!!!

(clique na imagem para ampliar)

Um calendário em português faz sempre jeito. Pode deitá-lo de lado, virá-lo de pernas para o ar, rasgá-lo ou emoldurá-lo; enfim, pode fazer dele o que quiser. Este 2008 é seu.

Desejo que ao longo do ano possa construir 2008 como desejar – e não como outros quiserem que seja o seu ano. É esta a força da liberdade, um valor que temos de continuar a defender. Cada vez mais.

Façam o favor de serem felizes!

domingo, 30 de dezembro de 2007

Esta é fácil

Ao navegar na Net encontrei este comentário:
«Não tem qualquer autoridade moral para criticar o que quer que seja! O partido mais arrangista de todo o sempre! O partido que apoia um governo do pior que alguma vez se viu. Passados dois anos tudo piorou: saúde, economia, desemprego,... uma miséria!»
A que partido se referirá o comentador?

Aventuras comerciais

Não sei se é reflexo da crise se é reflexo da portuguesa habitual falta de qualidade, mas as minhas últimas compras têm resultado em histórias inacreditáveis.

Não, não peçam, porque ainda não é hoje que vou contar a história do ar condicionado. Essa história é tão grande que só a poderei escrever num dia em que disponha de muito tempo livre. No entanto, foi das que me deu mais prazer: esperei 4 meses, mas fartei-me de gozar sempre que me telefonavam da empresa para ir pagar os aparelhos que... ainda não tinham sido instalados. Eheheheh, foi divertido.

Noutro dia, no Lidl, onde vou sempre que um "gadget dos pobres" me chama a atenção, olho para a factura e reparo que nela consta um litro de leite magro. Comprei leite? Reviro o carro, olho uma e outra vez, mas não encontro qualquer pacote de leite. Volto à caixa. Tinha sido engano.

Na sexta-feira, passo no Carrefour e compro dois pares de peúgas. Fazem sempre jeito e estavam com 30% de desconto. Um grande cartaz assinalava "Saldos". Na própria prateleira das peúgas um cartaz mais pequeno confirmava: "Saldos - 30%". Cheguei à caixa e... o sistema não assinalou o desconto. Outro erro, reparado com a devolução de 2,10 euros em dinheiro (mais de 400 escudos!).

Hoje, no Modelo, tive de pedir a dois cavalheiros para me deixarem tirar o "Público" do expositor. Entretidos com "A Bola", encostados, liam à borla e dificultavam a vida a quem queria comprar jornais. Desviaram-se e tirei o primeiro "Público" da prateleira de cima. Chegado à caixa, a funcionária abre o jornal e vê que lá dentro há duas revistas iguais. Olha para mim e pergunta quantas revistas é que o "Público" costuma trazer, abre as duas revistas lado-a-lado e desfolha-as lentamente, pergunta à colega da caixa ao lado quantas revistas é que o "Público" costuma trazer, manda chamar uma supervisora. Acaba por ficar com uma revista. Finalmente, pude pagar.

Será apenas incompetência?


PS - Um brinde para quem teve a gentileza de ler o texto até ao fim: há dias entrei numa agência bancária e pedi ao funcionário uma informação sobre PPRs. Educadamente, disse-me que era mais indicado ser uma das duas colegas a esclarecer-me. Encostei-me ao outro extremo do balcão, ele continuou a atender quem estava atrás de mim na fila e elas continuaram no interior da agência a conversar, certamente assuntos fundamentais para o futuro do banco e do país. Esperei um, dois, três... sete minutos. Elas teimavam em não aparecer no balcão. Ele continuava a atender, um após outro cliente. Eu esperava. Olimpicamente, olhei para o jovem funcionário e disse-lhe: «Volto já».
(Moral da história: como ele está sentado, não há problema...)

sábado, 29 de dezembro de 2007

Distinção

(clique na imagem para ampliar)

Pela primeira vez, "A Página do Mário" integra uma lista dos "melhores blogues".

A distinção - que é naturalmente agradável, mas julgo exagerada - foi do blogue "Bola na Área", que classificou "A Página" em 6.º lugar n' "Os meus blogues de Desporto em 2007".

Muito obrigado.


* * * * *
Deixei o seguinte agradecimento na caixa de comentários do "Bola na Área":

Como é evidente, a escolha deixou-me satisfeito.
Para além do agradecimento pela distinção, venho informar que "A Página do Mário" tem um filho muito especial desde 1 de Setembro, "A minha equipa 2007-2008".
Cumprimentos.
Mário Martins

Desabafo

Por vezes, é difícil interpretar correctamente o que surge na comunicação social.
Cada vez mais difícil, parece-me.

Agora mesmo tive de pegar no telefone e ligar a um amigo para perceber um (estranho) texto.
Felizmente, ele forneceu-me a "chave" para entender a entrevista.
Obrigado.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Que confusão!

(clique na imagem para ampliar)

A jornada joga-se a 6 (domingo).
O Académica-Braga foi alterado para 8 (terça-feira).
Agora foi corrigida a data para 4 (sexta-feira).
As mudanças ficarão por aqui?

PS - Noutro dia mostrei aqui no blogue que Manuel Machado ainda era o treinador da Académica no "site" da Liga de Clubes, meses depois de ter saído do clube. "Remédio santo": em poucos dias, o nome do treinador da Briosa foi corrigido. Prova-se que há quem leia este blogue.

As estranhas contas da inflação

Inflação prevista pelo Governo para 2008: 2,1%
Aumento de salário dos funcionários públicos: 2,1%

Inflação prevista por organismos estrangeiros para 2008: 2,4% a 2,5%

AUMENTOS DE PREÇO REAIS em 2008
Electricidade: 2,9%
Gás propano: 4,5%
Pão (previsão): 30%
Portagens de auto-estrada (média): 2,58%
Portagens de auto-estrada (Classe 1): 2,94%
Tabaco: 10%
Taxa de radiotelevisão: 5%
Transportes: 3,9%

(Este texto será actualizado sempre que novos aumentos sejam anunciados)

Actualização

O "site" da minha equipa já está (praticamente) actualizado.

Publiquei as fotos dos dois últimos jogos (aqui e aqui) e tornei pública a opinião sobre esta árbitra de Viseu.
Leia aqui.
(clique na imagem para ampliar)

Os vídeos do ano (*)

A saída de Santana Lopes dos estúdios da SIC foi o momento YouTube de 2007 para os vídeos nacionais.
De Ricardo Araújo Pereira escolhemos Marcelo Rebelo de Sousa. Mariza no David Letterman e Joe Berardo não podiam faltar. E as gaffes de Sócrates também não.

“Leave Britney alone!” foi visto mais de 14 milhões de vezes e tem de ser o escolhido nos vídeos internacionais.
“Por qué no te callas?”, o vídeo gravado pelo responsável do massacre de Virginia Tech e a morte do fotógrafo japonês na Birmânia foram algumas da notícias que marcaram 2007.

(*) - escolhas do jornal "Público"

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

História (triste) de Natal

O rapazinho chorava. O agente da PSP que estava de serviço àquela escola de Rabo de Peixe perguntou-lhe a razão do choro, e ele respondeu: “Minha mãe não teve dinheiro para comprar velas.”

Uns anos antes, o pai fora acusado de maus tratos à mulher e aos filhos. Entretanto, deixara de beber e arranjara emprego. Mas foi então que, numa certa noite, alguns polícias foram buscá-lo a casa para cumprir a pena de prisão finalmente decidida pelo tribunal. Quando ele já não representava nenhum perigo para a sociedade nem para a família, e se tornara indispensável para garantir o sustento desta.

A mãe não tivera dinheiro para pagar a conta da electricidade, que lhe foi cortada. Nem o teve para comprar velas à luz das quais o filho pudesse fazer os trabalhos de casa. E ele estava com medo de que a professora se zangasse.

A justiça é cega. Mas, às vezes, seria melhor que abrisse os olhos.

(in "Aspirina b")

Fotos de um jogo

Há novidades. Atrasadas, mas... novidades.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

O postal de Boas Festas de 2007

domingo, 23 de dezembro de 2007

ASAE encerra presépios municipais

Os presépios são um mau exemplo para a sociedade.
Entre vários problemas, salientam-se os seguintes: pessoas e animais a conviverem no mesmo espaço, bebé sem roupa adequada ao clima, animais sem registo de vacinas e a presença de palha, que é altamente inflamável e não oferece condições de segurança.
Por último, a mirra e o incenso não podem ser transportados naquele tipo de recipientes.

Porque hoje é domingo


Para que não se perca no passeio dominical...

sábado, 22 de dezembro de 2007

Árbitro (de 18 anos!) morre durante jogo

Lorenzo Modena, de 18 anos, morreu hoje vítima de paragem cardíaca, enquanto arbitrava um jogo de futebol juvenil, em Verona (norte de Itália).

Lorenzo Modena dirigia um encontro do campeonato regional.

A página

(clique na imagem para ampliar)

"Centro", 19 de Dezembro de 2007

BCP

Também tenho uma "estória" para contar.
Triste.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Bons sonhos

A próxima é a mais longa noite do ano.
Aproveitem-na bem.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Anedota

Numa reunião com o Presidente da Suiça, o primeiro-ministro português
apresentou-lhe os seus ministros:
- Este é o ministro da Saúde, este é o ministro dos Negócios
Estrangeiros, esta é a ministra da Educação, este é o ministro da
Justiça, este é o ministro das Finanças...
Chegou a vez do Presidente da Suiça:
- Este é o Ministro da Saúde, este é o Ministro dos Desportos, este é
o da Educação, este o da Marinha...
Nessa altura, com ar emproado, José Sócrates começou a rir:
- Ha! Ha! Ha!... Para que é que vocês têm um Ministro da Marinha, se
o vosso País não tem mar?
O Presidente da Suiça faz um ar digno e respondeu:
- Não seja inconveniente. Quando você apresentou os seus ministros da
Educação, da Justiça e da Saúde, eu também não me ri...
(recebida por e-mail)

Apitadelas (*)

Um amigo meu perguntava-me: «Afinal, no que deu ou vai dar o Apito Dourado?». Ao que eu respondi: «O que vai dar não sei, o que deu sei».

E no que já deu foi no seguinte:
- João Loureiro abandonou o Boavista, bem assim como a sua família.
- Valentim Loureiro não é o presidente da Liga.
- E a U. Leiria está com os patins calçados...

Podem achar pouco. Eu acho que já é alguma coisa.

(*) Eugénio Queirós no "Bola na Área"

Pontos de vista

Em Portugal, o poder de compra caiu de tal modo que até a classe média está a sentir na pele essa queda.

No seu estilo inconfundível, o Bloco de Esquerda atacou o Governo com o seguinte argumento:

– Temos a situação tão degradada, com os valores éticos, sociais e morais a serem postos quotidianamente em causa por este Governo, que até universitárias estão a começar a prostituir-se...

A resposta de Sócrates não se fez esperar:

– Em primeiro lugar, este Governo não recebe lições de ética, nem quaisquer outras, de ninguém. Em segundo lugar, e como é apanágio de V. Ex.ª, que já nos habituou à distorção sistemática da realidade, o que acontece é exactamente o oposto: a situação é tão boa que até as prostitutas já são universitárias...

(recebida por e-mail)

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Gala do Desporto

(clique na imagem para ampliar)
Estive lá.
Foi um (prolongado) serão agradável.

domingo, 16 de dezembro de 2007

Domingo capital

Dia lindo de sol no Parque das Nações.
Temperatura: 5 graus. Vento gélido.
Dentro do "Vasco da Gama" está-se bem.
Sento-me com o carioca de café à frente.
Chega alguém para a mesa ao lado. Traz uma chávena na mão e uma viola eléctrica ao peito.
Lisboa é diferente, já se sabe.
Tão diferente que pouco depois aparece um bizarro casal de jovens. Quentes.
Ele de óculos espelhados, calções de banho pelo joelho e chinelos de enfiar no dedo. Ela puxando um "trolley" de formato grande, mini-vestido de praia transparente e chapéu de pano na cabeça.
Têm todo o ar de terem acabado de chegar das Caraíbas. Passeiam-se pelo centro comercial, por entre olhares espantados e sorrisos mais ou menos explícitos.
Quem disse que do lado de fora estão 5 graus centígrados?
Lá como cá, as capitais são assim - diferentes.

sábado, 15 de dezembro de 2007

Empate... em família

A minha equipa empatou hoje em Vieira de Leiria (1-1), a 96 kms de distância de Coimbra (e a 3,40 euros de portagens).

Às 14h50 só havia três espectadores (todos dirigentes do Vigor) e outros tantos militares da GNR no campo. Pouco depois, o jogo começou com 28 pessoas a assistir.

Depois da goleada da 1.ª volta (6-0), pensava-se que o Vigor poderia conquistar a primeira vitória em terreno alheio. E logo no 1.º minuto o poste da baliza do Vieirense impediu o golo.

Num jogo que acabou por ser mais lutado do que jogado, o Vigor chegou à vantagem já na 2.ª parte, por Girão. Os locais empataram cinco minutos depois, na marcação de uma grande-penalidade.

Dada a escassa presença de público, pode escrever-se que foi um empate em família.

*****

PS - Já que se fala em família, um registo curioso: almocei em Coimbra, assisti ao jogo em Vieira de Leiria e estou a escrever estas linhas em Lisboa. A filha participou ontem à noite num colóquio no Porto e está em Bragança. O filho regressou com a equipa a Coimbra.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Angústias académicas (*)

Ainda hoje, apesar do marketing e das imagens que nos são vendidas, se reconhecem nos clubes de futebol elementos específicos do seu código genético, que os diferenciam e nos levam a adoptá-los como nossos, muitas vezes apaixonadamente.

Há clubes de bairro, de cidade ou de região, assim como há clubes nacionais e até clubes em que ainda perpassam tiques de classe sócio-profissional. O que parece existirem poucos é "Clubes de Bandeiras".

Com efeito não serão muitos os clubes nascidos e desenvolvidos em torno de valores e empenhados em defender bandeiras. Bandeiras éticas, de cidadania, de solidariedade e de fraternidade, como é o caso da Académica.

Clube duma Academia, estendeu-se à cidade, ao país e a vários recantos do mundo - globalizou-se antes da globalização - porque na cor das camisolas estavam inscritos valores e no seu futebol perfumado havia o gozo de ser diferente, sem subserviências ou arrogâncias.

Sendo projecto de formação académica e de cidadania, a Académica assumiu uma dimensão ímpar por simbolizar uma universidade e uma cidade, criar uma "escola de futebol", protagonizar a irreverência e a coragem de ser capaz de, em tempos difíceis, lutar por causas superiores como a liberdade.

Mas os últimos anos têm sido particularmente difíceis apesar dos esforços para travar a sua descaracterização e a conseguir enquadrar, com as suas especificidades, no mundo do futebol profissional. Fizeram-se congressos para a discutir e muitos têm sido os sócios que têm dado públicos contributos tentando encontrar um modelo de gestão e um projecto desportivo conciliador das suas raízes e do romantismo futebolístico do passado com o agressivo profissionalismo de agora.

Mas tudo isto sem sucesso. Chegámos aos tempos da mera sobrevivência futebolística em que ainda mal o campeonato começou e já nos aprontamos para assumir, com sofrimento, a luta pela não despromoção. Aí estamos outra vez este ano.

Os jogadores vão e vêm às carradas, os treinadores chegam e partem, apesar dos bons currículos e das boas referências do seu trabalho noutros clubes, tudo a dizer que o mal está cá, que os problemas são de administração e de gestão, de falta de planeamento e de organização.

Há uns anos atrás o argumento para as derrotas estava na ausência de campos de treinos e acusava-se a Câmara. Hoje há campos de treinos e chegou-se mesmo ao ponto da Académica se ter instalado na Câmara, cometendo o erro trágico de fazer do seu presidente director municipal do urbanismo.

Cegamente, e apesar dos avisos, houve quem acreditasse que desta forma haveria vantagens para a Câmara e para a Académica, mas, como previsto por alguns entre os quais me conto, com esta perversa acumulação a Académica acabou por ver escrita uma das páginas mais negras da sua história.

Para além dos males de que já sofria, a Académica foi atingida, enquanto instituição, levando a que os mais velhos, que conheceram a outra Académica, já tenham percebido que ou há uma rápida refundação ou esta morre definitivamente.

A cada dia que passa as angústias académicas são cada mais profundas, porque se vê a Briosa - ferida eticamente e com uma assustadora fragilidade desportiva - encurralada no beco sem saída a que foi conduzida pelos actuais dirigentes.

(*) João Silva, militante do PS (in "Jornal de Notícias")

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Incompetência

(clique na imagem para ampliar)

Hoje, às 20h30, no "site" da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, encontrei a indicação de que Manuel Machado é o treinador da Académica.

Distracção? Incompetência?

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Advogados

A situação na Ordem dos Advogados está bonita.
Ai está, está.

Mas gostei de ouvir Rogério Alves, há pouco, na SIC Notícias.

Notícia do Brasil

Léo sofre traumatismo craniano em partida pelo Benfica - O lateral brasileiro Léo sofreu um traumatismo craniano neste domingo durante a partida entre Benfica e Acadêmica, pelo Campeonato Português.

O jogador bateu a cabeça quando disputava a bola com Lito, do Acadêmica. Ele foi substituído na partida e levado ao hospital.

Apesar do susto, o atleta está bem e deve retornar aos treinamentos do Benfica já nesta terça-feira.

(Fonte: O Estadão)

O português falado e escrito no Brasil tem outro sabor, não tem?

O bastonário

«Marinho e Pinto, diz uma coisa singela que toda a gente percebe, menos certos políticos, acolitados pela inteligentsia dominante e por motivos também óbvios que ficam claríssimos. Diz que há promiscuidade entre os governantes e certos escritórios de advocacia e que isso se traduz em favorecimento monetário. Dinheiro, portanto, é a questão. Como sempre, aliás.»

Excerto de "Marinho e Pinto, bastonário da ordem ética".
Para ler o texto na íntegra, na "Grande Loja do Queijo Limiano", clique aqui.

O treinador

E esta?!

Casa Rosa quer comprar jogos da Académica

Os pormenores estão aqui.

domingo, 9 de dezembro de 2007

Hoje é domingo

Tenham um bom dia!

sábado, 8 de dezembro de 2007

Por onde andou o dinheiro?

Fiz uma transferência bancária electrónica no dia 2.
O dinheiro saiu nesse mesmo dia daquela conta mas só entrou na outra no dia 4.

Pergunta: por onde andou o dinheiro no dia 3?

Cimeira


Derrota em casa

A minha equipa perdeu hoje, em Fala, com o Torreense, por 1-0, repetindo o resultado da 1.ª volta, num jogo que assinalou a estreia do novo técnico do Vigor.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Cuidado!

Estudo volta a apontar perigos dos telemóveis para a saúde – Um estudo publicado hoje no American Journal of Epidemiology volta a questionar o impacto na saúde das ondas de radiação emitidas pelas antenas dos telemóveis. Um tema que tem originado vários estudos, nem sempre com resultados semelhantes.

A investigação concluiu que as radiações dos móveis aumentam o risco de cancro das glândulas salivares em cerca de 50 por cento nos utilizadores frequentes, que usem o equipamento 22 ou mais horas por mês.

O perigo é ainda mais elevado no caso dos utilizadores que têm tendência a falar sempre do mesmo lado, usando sempre a mesma a orelha, conclui o documento realizado com o apoio da Organização Mundial de Saúde.

Foram analisados na pesquisa 460 doentes, sendo que 402 desenvolveram tumores benignos e 58 desenvolveram tumores malignos, informa a agência noticiosa France Press.
(fonte: TEK Sapo)

Agora é a Caixa...

«A Caixa Geral de Depósitos (CGD) está a ser investigada no âmbito das ofertas públicas de venda da Redes Energéticas Nacionais (REN) e da Martifer. Em causa estão alegadas irregularidades feitas por um cliente do banco que terá aberto várias contas para concorrer ao rateio das acções das duas empresas.»

Amanhã há jogo

A minha equipa defronta amanhã, às 15h00, em Fala, o Torrense, líder do campeonato. Na 1.ª volta, o Vigor perdeu por 1-0, num jogo em que desperdiçou uma mão-cheia de oportunidades de golo e em que poderia ter conquistado, pelo menos, o empate.

Entretanto, verificou-se mudança no comando técnico: o técnico Zé Manel foi substituído na terça-feira por Félix. O treino de segunda-feira foi orientado pelo responsável dos seniores, Tó Miranda.

No sítio do costume estão as notícias relacionadas com a alteração técnica e algumas fotos do jogo de sábado passado, em Pombal – poucas porque a chuva e a escuridão não deixaram captar mais.

Quanto ao jogo de amanhã (e já que não consigo arranjar tempo para fazer o "balanço da 1.ª volta") parece-me que se trata da mais fraca das equipas que se encontram destacadas no comando do campeonato: quanto a mim, o Loures é a melhor, seguida do Alverca e do Torrense.
Esta opinião, como é óbvio, tem por base os jogos da 1.ª volta; nem poderia ser de outra maneira. E é apenas uma opinião.

Socialismo

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Ordem

«Júdice saiu do PSD de Marques Mendes para se aproximar de Sócrates. O sinal mais evidente desta transumância em direcção ao poder consistiu em ser mandatário do actual presidente da CML. Neste edificante contexto, é natural que Júdice ressuma o seu ódio de classe - sim, ele é fundamentalmente um homem de negócios - contra o filho do polícia (Rogério Alves) e contra o filho da camponesa e do alfaiate (Marinho Pinto)».
(João Gonçalves, no "Portugal dos Pequenitos")

Sugestões



Chama-se Grande Loja do Queijo Limiano e é um blogue que merece visita.

Só para "aguçar o apetite", os dois últimos textos lá publicados têm títulos sugestivos ("Portugal" e "Crime?").

As imagens que os acompanham também são apelativas.

Citação

«Há que acautelar o desgaste social, retomar o diálogo sindical, fazer baixar o ambiente de crispação e pessimismo que está a instalar-se. Quem avisa, caros amigos socialistas, vosso amigo é...»
(Mário Soares, 06-12-2007, “Visão”)

A mensagem do Orlando

A primeira mensagem escrita (SMS) de votos de Boas Festas volta a ser a de um "velho" companheiro do Jornal de Notícias.
Original, como sempre.

Ei-la:
«Sê um vencedor. Como? Deixa a coluna vertebral em casa. Boas Festas. Orlando Castro».

Agradeço e retribuo, na esperança de poder partilhar o inconformismo.
Na verdade, não foi este o Portugal que eu sonhei – nem para mim, nem para os meus filhos.

Isqueiros

Caro Mário
Ser (mais) jovem é uma virtude, mas que pode originar involuntárias imprecisões. De facto, no tempo da "outra senhora" não se pagava imposto ou taxa pelos isqueiros, pelo menos de forma directa. A coisa era ainda mais espantosa: tinha se de tirar "Licença de Isqueiro"!
Esta surrealista imposição destinava-se a proteger o monopólio da fosforeira portuguesa no que toca ao acendimento dos "Provisórios", que eram definitivos, e dos "Definitivos, que eram provisórios...
Aliás, alguns brincalhões deram-se ao trabalho de aprender uma habilidade: ocultavam a caixa de fósforos na palma da mão e com o polegar premiam um fósforo contra a lixa, de tal modo que, ao longe, parecia estarem a accionar um isqueiro. E quando aparecia o fiscal (que andava disfarçado, à paisana), a vingança era ver a cara de parvo com que o dito ficava quando se lhe garantia que ali não havia isqueiro, mas apenas fósforos. Testemunhei uma destas cenas no Nicola!
Um abraço

(mensagem de um Amigo e leitor do blogue)

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Salazar e... Sócrates

Ontem à noite adormeci a ver uma reportagem da SIC sobre António de Oliveira Salazar.

Hoje de manhã acordei com a notícia de que o Governo chefiado por José Sócrates se preparar para lançar um imposto (chamam-lhe taxa...) sobre os sacos de plástico.

Se calhar por influência da reportagem de ontem, lembrei-me logo do imposto (chamavam-lhe taxa, não era?...) sobre os isqueiros no tempo da "outra senhora".

Realmente, ele há cada uma...

A Página

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Aposentação

(recebida por e-mail)

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

BCP... sem palavras

Martim Avilez, director do "Diário Económico", acaba de classificar de «circo» e «fantochada» a situação no BCP.

«Estamos quase sem palavras para classificar o vai acontecendo no BCP», disse o jornalista, apelando a que «a Justiça funcione, pelo menos neste caso».

Uma intervenção que deveria ser repetida de hora a hora.

PS - Foram feitas alusões a obras em casa de administradores pagas pelo banco, casamentos, controlo do valor das acções em Bolsa!!! Será possível isto ter acontecido???

Europeu

Já há bola.
Falta comprar os bilhetes.

Capas do "Libé"



As capas das últimas edições do francês "Libération".
Uma forma diferente de fazer jornalismo.

Boas Festas


A primeira mensagem.

sábado, 1 de dezembro de 2007

Vitória

Manhã cedo, mal ouvi as notícias, peguei no telemóvel e escrevi: «Parabéns, campeão!».

Agora, à hora de deitar, encontro este texto.

Derrota em Pombal

A minha equipa perdeu esta tarde em Pombal por 2-0 com o Sporting local.

Num jogo disputado a 53 km de Coimbra e debaixo de chuva constante, os locais chegaram à vantagem ainda na primeira parte (golos aos 4 e 28 minutos).

O Vigor dominou totalmente na 2.ª parte, mas não conseguiu concretizar nenhuma das oportunidades que criou.

Os resultados da jornada estão no zerozero.pt.

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Recortes do fim-de-semana

Esta foi uma semana complicada.
Muito trabalho (felizmente!); jornadas de 10 e 12 diárias, quase ininterruptas.

Consegui, finalmente, colocar no blogue os "recortes de jornais" do último fim-de-semana.

Estão aqui.

Greve(s)

O Governo diz que 20% fez greve e 80% foi trabalhar.

Os sindicatos dizem que 80% fez greve e 20% foi trabalhar.

Em qualquer dos casos, a soma é de 100%.
Ou seja: as contas estão certas.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Vale a pena ler

Há textos que nos deixam sem palavras: não há nada a acrescentar, não há nada a apagar; está lá tudo o que pensamos.
É o caso desta crónica de António Barreto, de que aqui transcrevo apenas o início.

ELES ESTÃO DOIDOS
A MEIA DÚZIA DE LAVRADORES que comercializam directamente os seus produtos e que sobreviveram aos centros comerciais ou às grandes superfícies vai agora ser eliminada sumariamente. Os proprietários de restaurantes caseiros que sobram, e vivem no mesmo prédio em que trabalham, preparam-se, depois da chegada da "fast food", para fechar portas e mudar de vida. Os cozinheiros que faziam a domicílio pratos e "petiscos", a fim de os vender no café ao lado e que resistiram a toneladas de batatas fritas e de gordura reciclada, podem rezar as últimas orações. Todos os que cozinhavam em casa e forneciam diariamente, aos cafés e restaurantes do bairro, sopas, doces, compotas, rissóis e croquetes, podem sonhar com outros negócios. Os artesãos que comercializam produtos confeccionados à sua maneira vão ser liquidados.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Notícia de hoje

("newsletter" da Rádio Renascença)
Sinto-me triste.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

sábado, 24 de novembro de 2007

Derrota em Rio Maior


A minha equipa perdeu hoje em Rio Maior, com a equipa local, por 1-0.

A 154 km e 10,15 euros (de portagens) de distância de Coimbra, assistiu-se a um jogo equilibrado, de qualidade mediana.

O Rio Maior - que dispôs de duas grandes oportunidades, tal como o Vigor - chegou ao triunfo aos 80 minutos, na marcação de um livre directo junto da área coimbrã. A bola bateu na barreira, mudou de trajectória e enganou o guarda-redes.

A nota principal do jogo, no entanto, foi a péssima arbitragem do senhor que está na foto, que revelou inaceitável dualidade de critérios. Foi, sem qualquer sombra de dúvidas, a pior arbitragem da 1.ª volta, apesar de não ter influenciado directamente o resultado.

Logo que possível, farei o balanço da 1.ª volta do campeonato no sítio do costume.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Rir

Porque hoje é sexta-feira, clique aqui.
Vai ver que não se arrepende.

A Página


"Centro", 21 de Novembro de 2007

Quase me esquecia de publicar aqui "A Página"... Já está.

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Já estão à nossa espera!

Capa da edição de hoje do jornal diário austríaco "Kurier"

Debate na rádio


A gravação foi feita hoje, a emissão é ao final da manhã de sábado.
Na Rádio Regional do Centro (96.2 FM).
Com moderação do jornalista Luís Santos, as opiniões dos drs. Manuel António e Leite da Costa, para além do autor deste blogue.
Fala-se de Scolari, da selecção nacional e do Euro 2008. Mas não só.
A conversa pode também ser escutada em "podcast" no sítio da RRC.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Hora de saída

Scolari não gostou das perguntas e abandonou a conferência de Imprensa, no Estádio do Dragão.
Está na hora de encontrar o substituto do treinador brasileiro.

País real

Portugueses mais pobres

Portugal é já o sexto país mais pobre entre os 30 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), depois de ter sido ultrapassado pela República Checa.

Segundo um estudo hoje divulgado pela organização sedeada em Paris, o PIB per capita nacional passou de 72% para 69% da média da OCDE, revelando um empobrecimento relativo dos portugueses, mas o consumo efectivo apenas recuou de 74% para 73%.
COMENTÁRIO - O primeiro-ministro tem cada vez mais razões para sorrir.

Selecção

Lá vamos nós a caminho do "Europeu".
Ao pé coxinho.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Recorte de jornal


(clique na imagem para ampliar)
suplemento de Desporto do "Diário As Beiras", 19/11/2007

Capa de revista

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Citação

«O Sócrates? É de uma pavorosa mediocridade. Pior: é um homem que tem uma linha de pensamento convencional. Que assenta em todos os lugares-comuns deste tempo e reproduz de uma maneira tosca esses mesmos lugares-comuns.»
(Vasco Pulido Valente, "Única")

domingo, 18 de novembro de 2007

Selecção em Leiria

PRELIMINARES
«Olhó cachecol do jogo! 5 euros!».
O cachecol do jogo tem o nome do estádio, a data e é metade de uma equipa e metade da outra.
«Queijadas de Sintra!».
O cachecol do jogo deve ser comprado no final e não antes. E porquê?... Por uma razão simples: depois do jogo, o preço baixa, por vezes para metade.
Ontem à noite, porém, o preço já estava esmagado duas horas antes do jogo, tal era a quantidade de vendedores ambulantes em Leiria.
Logo à frente, nos parques de estacionamento, uma autêntica floresta de publicidade. A maioria da qual da responsabilidade da TBZ, a anunciar o Académica-Benfica do próximo fim-de-semana. Um exagero!
Mas também autocolantes e marcadores de livros a alertar para o número de vítimas mortais nas estradas portuguesas. Já no estádio, o “jornal da selecção” e a bandeirinha da TMN.

O vidro traseiro e os panfletos do Académica-Benfica

NAS BANCADAS
Um frio de rachar. No final o termómetro do carro assinalava 4 graus.
(Pior, pior, estava a temperatura em Pombal: 1 grau).
Muita gente nas bancadas, uma parte do estádio ainda por concluir, três anos depois do Euro’2004. Originalidades portuguesas.
Nelly Furtado continua a dar “Força” à selecção portuguesa e os espectadores continuam a bater palmas a compasso. Desta feita também para enganar o frio.
O estádio tem 23.888 lugares sentados e cobertos, entraram nos portões 22.048 pessoas; ou seja, ficaram 1.840 cadeiras vazias. Ainda é alguma coisa.

Mais de 1.800 cadeiras ficaram vazias...

O JOGO
Fracote. Portugal poderia ter marcado aos 3 minutos (Simão rematou à trave), mas acabou por marcar a 3 minutos do intervalo, por Hugo Almeida.
Pelo meio, uma actuação medíocre, como o público fez questão de salientar com duas enormes assobiadelas, aos 81 e 83 minutos, quando a selecção portuguesa (8.ª melhor selecção a nível mundial) defendia a vantagem conseguida frente à “poderosa” Arménia (82.ª classificada do “ranking” da FIFA)!
Mas as assobiadelas, ainda que pouco perceptíveis, começaram antes do jogo. Foi na altura da apresentação das equipas. Dois nomes da equipa portuguesa mereceram alguns assobios, o que é invulgar.
Quem foram eles? – perguntará algum leitor deste espaço.
Vão ter uma surpresa: Pepe e… Scolari.

Golo!


O REGRESSO
Em Agosto, aquando da final da Supertaça, demorei quase uma hora a entrar na auto-estrada em Leiria, no final do jogo.
Como “gato escaldado de água fria tem medo”, ontem optei por fazer o percurso Leiria-Pombal pela EN 1. Depois, entrei na auto-estrada, parei na área de serviço (informaram-me que a chegada à auto-estrada, afinal, tinha sido rápida) e cheguei a Coimbra 55 minutos depois de ter entrado no automóvel na zona do estádio em Leiria. Nada mau.
Afinal, a única “nota negra” da noite foi a exibição da equipa portuguesa.

Um outro olhar sobre o estádio de Leiria

AS MINHAS EQUIPAS
Foi um sábado vitorioso, já que as minhas equipas venceram.
À tarde, em Fala, os juniores do Vigor derrotaram o Portomosense por 2-0, num jogo de qualidade mediana.
À noite, a selecção portuguesa venceu a Arménia por 1-0, num jogo bem pior – técnica, táctica e espectacularmente.
Há sábados assim.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Amanhã há jogo

Amanhã, às 15h00, em Fala, há jogo com o Portomosense (10.ª jornada, penúltima da 1.ª volta).

Entretanto, há novidades no blogue habitual.

Aos pares, em Viseu...

Dois dirigentes e dois árbitros detidos

Dois dirigentes desportivos e dois árbitros foram detidos ontem à noite em flagrante delito quando se preparavam para transaccionar dinheiro em Tondela e Castro Daire, disse hoje à agência Lusa o comandante da PSP de Viseu.

Segundo o comandante Almeida Campos, o comando de Viseu da PSP recebeu a denúncia de que "iria haver transacção de dinheiro entre dirigentes desportivos e árbitros", tendo de imediato montado uma operação.

Os agentes policiais encontraram-nos "na altura em que os dirigentes desportivos passavam o dinheiro para os árbitros", fora dos carros, próximo de Tondela e de Castro Daire, contou.

Almeida Campos disse ainda à Lusa que o árbitro detido em Tondela "tinha a esposa dentro do carro, que foi com ele receber o dinheiro e só não foi detida por se encontrar grávida".

O primeiro interrogatório judicial dos suspeitos está marcado para hoje de manhã, nas comarcas de Tondela e de Castro Daire.

Nem tudo é mau

A Académica foi a equipa mais bem comportada do mês de Outubro no ranking mensal do Sindicato de Jogadores para o prémio «Fair Play Colectivo», divulgado esta sexta-feira, num período em que, com as interrupções para os jogo da Taça da Liga e da Selecção Nacional, se contaram apenas duas jornadas.

Os estudantes, com um empate no Restelo (0-0) e uma derrota em casa diante do F.C. Porto (0-1), passaram incólumes, sem verem um único cartão nos jogos da 7.ª e 8.ª jornadas.

Parabéns!

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

AAC/oaf: 10 milhões de passivo

A direcção da Académica/OAF, presidida por José Eduardo Simões, vai apresentar hoje, em Assembleia Geral, um passivo na ordem dos 10 milhões euros, relativo à época 2006/07.

O passivo que a direcção da Académica vai apresentar hoje em Assembleia Geral é de 10.780,662,72 euros, relativo ao final da época 2006/07. Um valor que à primeira vista reduz em mais de dois milhões de euros o défice dos estudantes, uma vez que no fecho das contas em Junho de 2006 o valor cifrava-se em 12.123.383.70. Porém, José Eduardo Simões, presidente da Académica, alertou nessa altura que em Setembro de 2006, com as verbas entretanto recebidas (provenientes da venda do jogador Marcel e de receitas da SportTV e da Repsol), o valor do passivo baixaria cerca de quatro milhões de euros, ou seja, estabilizaria nos oito milhões.
Nesse sentido, e numa assembleia geral efectuada em meados de Abril, a direcção apresentou um documento que confirmava que o passivo tinha diminuído para 8.552.814.35 euros, em Dezembro de 2006. Desta forma, feitas as contas aumentou em seis meses mais de dois milhões de euros.
Entretanto, no parecer do Revisor Oficial de Contas (ROC), este alerta para o facto de «não terem sido contabilizadas todas as obrigações decorrentes dos contratos em arquivo, pelo que o passivo encontra-se subvalorizado em 639 milhares de euros, com a sobrevalorização dos capitais próprios no mesmo montantes».
Não colocando em causa o seu parecer, o ROC chama ainda à atenção para o facto de ter «impugnado judicialmente a decisão, a Académica não contabilizou a liquidação oficiosa de IRC dos exercícios de 1995/96 por 351.84 milhares de euros a que acrescem juros de mora», encontrando-se esta contingência garantida pela penhora do Pavilhão Jorge Anjinho.
Outros dos pontos sujeitos a apreciação e votação por parte dos associados é o Orçamento para a temporada que está em vigor. A previsão da direcção é que a época 2007/08 custará aos cofres da Briosa 5, 417 milhões de euros, dos quais 3,875 milhões representam despesas de remuneração e encargos sociais obrigatórios. Os restantes 774 mil euros constituem despesas correntes.
O futebol profissional representa, segundo o documento, 81 por cento dos custos, enquanto a formação recebe esta temporada uma verba ligeiramente superior a 251 mil euros, mais 10 por cento do que em 2006/07.
(Ricardo Busano, no "Diário de Coimbra" de hoje)

Portugal socialista

Há três vezes mais empresas dispostas a sair de Portugal

Estudo da Ernst & Young revela que 20% dos empresários têm a intenção de deslocalizar a produção. Dados de Bruxelas mostram que Portugal já é mais pobre do que a Estónia.

(in "Diário Económico")

BREVE COMENTÁRIO – Eis mais uma razão para José Sócrates estar satisfeito... Coitados de nós.

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Jornalismo

«"Não cometam o erro de ver os factos através do buraco da fechadura", dizia aos colegas mais jovens, recomendando-lhes a leitura da imprensa internacional. Era, aliás, o que fazia enquanto saboreava o café da manhã. Tinha uma visão cosmopolita das notícias e gostava de acentuar a importância da memória nas redacções - convicto de que um jornalismo sem memória está longe de servir os leitores.»

Acabo de encontrar este excerto aqui.
Estou 100% de acordo.

Portugal, 2007

Notícia 1:
«A remuneração de base média mensal dos portugueses ronda os 840 euros»
Notícia 2:
«A despesa prevista com as viagens e estadas dos deputados, em deslocações dentro e fora do País ao serviço da Assembleia da República, ascende em 2008 a 3,4 milhões de euros, um aumento de 15,4%»

Notícia 3:
«O nível de endividamento dos portugueses não pára de aumentar e os problemas daí decorrentes também não. Até Setembro passado, 1092 portugueses pediram ajuda à DECO – Associação de Defesa do Consumidor – para tentarem encontrar uma solução para a situações desesperadas de sobreendividamento.»

Notícia 4:
«[José Rodrigues dos Santos] perdeu, recentemente, cerca de 1.000 euros de subsídio de apresentação, o denominado AFOC, como o CM revelou. Antes do corte, o jornalista recebia 14.327,12 euros, segundo a folha de ordenados de Outubro de 2004.»

(fonte: Correio da Manhã)

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Caso sério

«Outra vez duas expulsões?».
A frase - proferida sábado à tarde, durante o AA Santarém-Vigor – chamou-me a atenção e, logo que pude, fui ao "site" da Federação consultar o registo da Associação Académica de Santarém.
O que encontrei é, no mínimo, preocupante: neste momento, a equipa ribatejana já soma 11 expulsões e o campeonato ainda não chegou a meio!
É certamente recorde a nível nacional – o que é especialmente grave num grupo de jovens. E que deve merecer cuidadosa avaliação por parte dos responsáveis (dirigentes do clube, da Associação de Futebol de Santarém e da Federação Portuguesa de Futebol).

PS - O Vigor não tem qualquer expulsão e os cartões amarelos mostrados em 10 jogos não devem ultrapassar a meia dúzia. Mais: esta tem sido a "norma disciplinar" das equipas jovens que tenho acompanhado nos últimos nove anos...

Dia de S. Martinho

Ontem.
LI

sábado, 10 de novembro de 2007

Empate em Santarém

A minha equipa empatou hoje, 2-2, em Santarém, com a Académica local, naquele que foi o "jogo de jovens" mais indisciplinado a que assisti até hoje.
Curiosamente, os dois golos do Vigor foram marcados pelos defesas-centrais: Afonso Janine por volta dos 20 minutos, a inaugurar o "placard", e David Mateus, de grande penalidade, já na 2.ª parte, a fazer o 1-2.
A Académica de Santarém, equipa cuja dureza muitas vezes roçou a violência, acabou o jogo com 9 elementos e chegou ao empate já no período de descontos.

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Meio século

Parabéns, pá!

País de sucesso

Depois de ouvir o primeiro-ministro na Assembleia da República enumerar os sucessos do Governo, não há nada como uma notícia destas para nos trazer de volta ao mundo real.


Bolsas atrasadas "obrigam" alunos a deixar de comer

«Faço duas ou três refeições por dia, mas nunca o almoço e o jantar. Se almoço, não janto». As palavras são de Fátima Abreu, uma de entre vários estudantes da Universidade de Coimbra que vivem em sérias dificuldades financeiras devido ao atraso no pagamento das bolsas de estudo.
«Tenho uma colega em situação ainda mais complicada, porque é da Madeira. Enquanto eu posso pedir dinheiro emprestado para ir a casa, em Torres Novas, e trazer comida, ela não. Durante a semana, come sopa, cereais e pão», acrescenta a aluna do terceiro ano de Estudos Artísticos, com 24 anos.
(in "Jornal de Notícias" de hoje)

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Crise?!... Qual crise?

(clique na imagem para ampliar)

Resposta ao ministro

(clique na imagem para ampliar)

O ministro da Administração Interna gabou o trabalho do Governo, mas há fogos por controlar em Novembro!
Se ele tem esperado uns diazitos...

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Vergonha!

Passar de ano sem ir às aulas
O Estatuto do Aluno foi ontem aprovado pelos deputados da Comissão de Educação, com os votos favoráveis do PS. A versão final, que acolhe uma proposta do PSD, continua a deixar aberta a possibilidade de os alunos poderem passar de ano sem frequentar as aulas, bastando para tal ter aprovação nas provas de recuperação, a realizar por quem atinja o limite de faltas.
(in “Correio da Manhã”)

O MEU COMENTÁRIO – Aqui está uma medida bem ao estilo socialista: faltar às aulas e... seguir em frente! Ao que nós chegámos... Pobre Portugal!

COMENTÁRIOS NO “SITE” DO CORREIO DA MANHÃ:

«Esta notícia deixa-me absolutamente aterrada!!! QUE VERGONHA!!!!» (C. G.)

«... e depois, estes jovens crescem habituados a faltar às aulas. Arranjam emprego e pensam que o patrão, tal como a escola, está para aturar as faltas injustificadas, mas não, vem o desemprego... Pobre povo que nunca mais aprendes, por culpa dos maus governantes!» (J.)

«E assim este maravilhoso governo alcançará mais um objectivo cosmético, como aliás a maioria dos que alcança. O número de jovens nas escolas aumentará e o número de miudos sem sequer saber ler e escrever tambem. 12.º ano para todos!!! Assim é que é. Vamos ser o país com a maior taxa de sucesso de sempre... nas estatísticas. Claro.» (C. C.)

«Já Poinsard escreveu em 1910 que os portugueses tinham uma superior qualidade como pessoas, mas não funcionavam por causa da falta de educação do carácter. Estas medidas promovem a desorganização do indivíduo, a falta de autodisciplina, e a inconsistência no comportamento. Em resumo, promovem a má educação.» (A. S.)

Fresco na capital europeia


Conselho Geral do Forum Europeu da Juventude